fbpx
Adoçante
18 de janeiro de 2017
Conheça os Picky Eaters
19 de janeiro de 2017

Xylitol

Afinal, pode ser uma boa opção para adoçar?

O xylitol é um tipo de adoçante. Ele pode ser extraído da fibra triturada da cana-de-açúcar, que dá origem a uma mistura branqueada, que apresenta gosto doce na língua.

Possui metade das calorias dos demais, além de apresentar um baixo índice glicêmico, o que o torna um produto que é lentamente absorvido e metabolizado pelo organismo, diferentemente do açúcar refinado.

É preciso atentar apenas para o rótulo do produto. É sabido que há quem produza a partir do milho geneticamente modificado – e estes devemos evitar.

O xilitol pode ser utilizado tanto em bebidas quanto na preparação de doces. Entre os “não naturais”, é a melhor opção – isto pelo baixo valor calórico e por suportar bem na culinária, quando aquecido. Por isso ele é um dos que costumo utilizar em casa. Quem tem me acompanhado tem visto que no “Receitas da Rainha”, apresentamos sugestões de pratos saudáveis e com sabor para compor o cardápio de vocês.

Vamos dizer diretamente: quando o assunto é adoçar, a máxima é usar com sabedoria e moderação. O que impacta, sobretudo, é a quantidade consumida. Se você bebe muito café por dia, aprenda a tomar sem açúcar e/ou adoçante. O açúcar deve ser cada vez mais esporádico na sua vida! Como os nossos primórdios que não tinham acesso ao consumo. Não como agora, em que é encontrado em praticamente tudo!

O demerara, por exemplo, embora possa dizer ser menos mal, não é muito diferente. A vantagem é que não tem aditivo químico, pois seu índice glicêmico não é muito diferente do açúcar. Ele é uma opção pra quem tem ainda mimimi de consumir açúcar escuro.

Agora, a pergunta que não quer calar: qual o melhor açúcar para consumir? O de coco (em 1º lugar) e o mascavo. O mascavo é mais acessível atualmente – o que se torna uma alternativa viável a aquisição. Ambos são as melhores indicações – lembrando da máxima: menos é mais!

Curiosidade: em uma das biografias sobre Napoleão Bonaparte, uma historiadora (Kate Williams) coloca a narrativa sob a perspectiva de Josephine, primeira esposa do imperador. Devido aos dentes apodrecidos pelo alto consumo de açúcar, ela jamais sorria em frente dos outros. As pinturas sempre a retratam com os lábios cerrados).

WhatsApp chat