Como Dormir Melhor
18 de junho de 2019
Dr. Barakat na Revista Live Up
18 de junho de 2019

Síndrome da Fadiga Crônica

Há uma boa parcela de pessoas que não apresentam apenas uma fadiga que possa ser “melhorada” com algumas correções de hábitos e controle de certas doenças. A experiência médica nos mostra que existem muitos pacientes que se queixam de cansaço contínuo, mas não se enquadram neste diagnóstico, pois se sentem muito mal, incapazes de concentrar-se no trabalho e também de executar tarefas diárias. Estes, por mais que alguns médicos lhes receitem para dormir mais e se alimentar melhor, não conseguem ver de fato uma melhora, e isso acontece porque possuem Síndrome da Fadiga Crônica, e não apenas uma fadiga por hábitos maléficos. É um distúrbio que acomete mais mulheres do que homens, e, na maioria das vezes, instala-se sutilmente depois de um resfriado, gripe, sinusite ou outro processo infeccioso. Quando a pessoa melhora dessas infecções, infelizmente começa a apresentar sintomas de indisposição, fadiga e fraqueza muscular que podem até apresentar um avanço, mas estes retornam periodicamente.

Não há exames de laboratório específicos para identificar a fadiga crônica, mas, de acordo com o International Chronic Fatique Syndrome Study Group, o critério para o diagnóstico é considerar que o portador da Síndrome apresenta pelo menos quatro dos sintomas “comuns” por um período de pelo menos seis meses. Dentre os sintomas, está a dor de garganta, gânglios inflamados e dolorosos, dores musculares, dor em articulações sem sinais inflamatórios, cefaleia, dificuldade de concentração e memória fraca, dificuldade para dormir e fraqueza intensa que persiste por mais de 24 horas depois da atividade física. Alguns estudos sugerem que predisposição genética, doenças infecciosas prévias, faixa etária, mas principalmente estresse e fatores ambientais tenham influência na história natural da enfermidade. Por alguma razão ou estresse emocional forte devido à reforma da casa, preparativos para casamento, gestação e amamentação (medo de não ser capaz ou ansiedade por ser a primeira vez), bem como perda de dinheiro, negócio ou sociedade, morte de algum parente, entre tantos outros fatores, todos podem causar elevação e picos de cortisol para atender esse indivíduo sob estresse e lhe conferir energia para atacar ou fugir (isso repete-se há 66 mil anos).

Entretanto, o homem moderno apresenta estresse de forma crônica e continua secretamente por semanas e meses sobre elevados níveis de cortisol! Esse cortisol elevado gera dezenas de alterações no organismo, pois há queda da enzima triptofano redutase, e com isso não somos mais capazes de absorver o triptofano dos alimentos, ou seja, passamos a não mais sintetizar serotonina no organismo e essa queda gera compulsão por carboidratos doces ou salgados, assim como a queda da serotonina leva a queda da melatonina e assim há redução na qualidade do sono e imunidade. O cortisol elevado causa queda na pregnenolona, hormônio cerebral mais abundante (responsável por memória recente e concentração para leitura), e também queda do DHEA, diminuindo a libido! Com o passar do tempo, nessas condições sem qualidade de dormir e acordar cansado, começamos a nos sentir fadigados após o almoço e no final da tarde especialmente notar sua memória recente comprometida e dificuldade de manter leitura de um texto sem se perder no pensamento e apresentar queda de cabelo e unhas fracas! Como tratamento, além de reequilibrar os hormônios e instituir um sono de qualidade, mudanças de estilo de vida também são necessárias. Uma dieta equilibrada, interromper o uso excessivo de álcool, exercícios regulares de acordo com a disposição física e a manutenção do equilíbrio emocional para controlar o estresse são úteis para o controle da doença.

WhatsApp chat