fbpx
Alimentos: o que separa cura de veneno?
17 de outubro de 2016
Afinal, como melhorar a saúde do intestino?
18 de outubro de 2016

Saúde do intestino: conheça um dos pilares da vida saudável

Leia mais.

Publicado em 17/10/2016

STATUSVamos conversar sobre mais um dos pilares da qualidade de vida: a saúde do intestino. Divido entre delgado e grosso, o órgão é responsável por absorver a maioria dos nutrientes e grande parte da água no organismo. Acreditem, mais do que aquilo que comemos, somos aquilo que absorvemos.

É impossível ter um intestino saudável se sua alimentação também não o for: uma coisa é consequência da outra, sempre! A perfeita função da barreira intestinal e o equilíbrio da microbiota são requisitos de bem-estar e saúde, pois o intestino é uma importante área de troca do corpo humano com o meio externo.

Outro ponto interessante que muitos desconhecem ou podem olhar com certa estranheza é que o intestino é responsável pela produção de aproximadamente 80% de serotonina, um neurotransmissor que atua no nosso cérebro responsável por conduzir impulsos nervosos como o humor, sono e funções intelectuais. Por isso, há quem chame o intestino de “segundo cérebro”.
Existem milhares de espécies bacterianas que estão presentes principalmente no cólon, chamadas de “microflora bacteriana”. Para entender melhor, temos que pensar que trato gastrointestinal é estéril quando nascemos, mas rapidamente desenvolve uma microflora intestinal que pode variar de acordo com o tipo de parto, a alimentação da criança, o uso de antibióticos, a dieta e a idade.

Cada sistema, órgão e célula humana do corpo utiliza combustível para funcionar e libera resíduos que sãonos intestinos, principalmente no cólon, o canal crucial de eliminação subprodutos do metabolismo deste combustível. Ou seja, se esse “lixo” não é eliminado de forma integral e regular através das fezes, ele automaticamente acaba sendo reabsorvido pela circulação sanguínea, poluindo e intoxicando ciclicamente todo o sistema. Se há uma deficiência na incapacidade de eliminação dos resíduos por parte dos intestinos, isso pode gerar intoxicação crônica, sendo esta uma das origens de doenças autoimunes – inclusive, todas elas começam no intestino. Se você agride o intestino, exacerba o sistema imunológico.

Pesquisas comprovam que 95% de todas as doenças tem início neste órgão de eliminação. Carregamos cerca de 4 a 5 quilos de matéria fecal tóxica dentro do cólon, e alguns casos registram 15 quilos, e temos que pensar que uma vez esticado, o intestino delgado mede de 6 a 9 metros, aproximadamente o tamanho de uma quadra de tênis! Ou seja, é essencial que ocorra uma evacuação de tudo, e sabemos que a maneira mais eficaz de medir a saúde dos intestinos é estudar a frequência das vezes em que vamos ao banheiro liberar essas fezes. Se você é do tipo que “libera menos do que você come”, pode apostar que o seu intestino começa a acumular restos que deveriam estar sendo expelidos. Segundo o Dr. Richard Schulze, que viajou pelo mundo durante 12 anos em busca da compreensão do que seria uma frequência natural e saudável de defecção, nós devemos ir ao banheiro cerca de 2 a 3 vezes por dia, para que não ocorra constipação. Para você ter uma ideia, o corpo humano transporta cerca de cem trilhões de microrganismos nos seus intestinos, sendo que cerca de trezentos a mil espécies diferentes vivem no intestinos, compondo a microflora intestinal.

Quando inflamado por conta de alimentos tóxicos e alergênicos, o intestino perde sua microbiota, sua flora intestinal, que é povoada por mais de 100 trilhões de bactérias. Deste modo, fica claro que a microflora intestinal é essencial para que o mecanismo de proteção trabalhe em condições ótimas: sabendo que os prebióticos e probióticos trabalham para aumentar o número de bactérias benéficas ao nosso organismo, é de vital importância que mantenhamos os níveis desses nutrientes altos em nosso corpo.

O não equilíbrio bacteriano pode acarretar em uma série de distúrbios, como a síndrome do intestino irritável, inflamação intestinal, câncer no cólon, gastroenterite e disbiose. O uso de antibióticos pode ter efeito nocivo no balanço da microflora, mas falarei sobre amanhã, assim como a disbiose, portanto fiquem atentos! Só para finalizar, quero deixar claro que a importância da microflora intestinal para a saúde e bem estar é extrema, pois assim é uma parte que devemos prestar muita atenção.
Um outro meio de medir a saúde dos intestinos: constipação. Se você levar à sério os benefícios da limpeza dos órgãos, esta é uma parte importante, porque além de ser um mal comum na sociedade, é também um processo essencial para que “tudo volte ao normal” no corpo todo. Não vemos aquelas propagandas com iogurtes, falando que eles trarão de volta o bom funcionamento do intestino? Apesar de já ter comentado sobre isso, esses probióticos são vendidos à torto e à direito justamente porque é um mal comum entre as pessoas. Com a nossa rotina, muitas vezes esquecemos das necessidades básicas e nosso sistema digestivo vai acumulando as fezes e outras substâncias na sua “placa mucótica”, o que pode gerar um inchaço e também uma infecção crônica no corpo!

Cada pedaço do nosso corpo precisa que tenhamos atenção especial para que tudo funcione da melhor forma. Precisamos comer bem, mas eliminar melhor ainda!
Continuem acompanhando!

WhatsApp chat