fbpx
O que você tem comido no lanche?
8 de fevereiro de 2017
Alimentos ricos em cálcio
9 de fevereiro de 2017

Leite: afinal, o que é esta bebida?

No alvo, o Leite. É um tema que sempre gera inquietação, mas que precisa ser abordado

Qual leite a sociedade em geral mais consome? O longa vida. Acontece que dentro de cada “atrativa” caixinha há um líquido que um dia foi leite. A bebida encontrada à mão nas gondolas oferecida pela Indústria passou por todo um processo que descaracterizou totalmente a originalidade do que a vaca ofertou. Em linhas gerais: ele foi ordenhado mecanicamente, passou por uma mangueira, caiu num caldeirão (tudo aparelho metálico), recebeu formol, conservante, emulsificante e etc., e depois foi envasado uma embalagem de alumínio e/ou plástico. Dai foi conduzido num caminhão por horas de transporte, quem sabe com oscilação de temperatura, sofrendo reações químicas entre estes conjuntos de substâncias. Então, você adquire seu leite com a proposta de longa duração. Reflita a deturpação que passa o leite para poder alcançar este prazo de validade tão satisfatório aos olhos de muitos. E, após aberto, recomenda-se ainda consumir em “3-5 dias”?! É de se pensar! Antes de mais nada: quanto maior a longevidade de um alimento, menor a longevidade de sua saúde.

Outro ponto – é que a sociedade não quer mais o leite gordo, que possui gordura saudável, proteínas e pouca lactose. Houve uma corrida pela tipagem “desnatado”. Mas, o que de fato é isto? Quando se retira a gordura do leite da vaca, o que sobra é um líquido ralo. Para obter textura como se conhece e torna-lo palatável, se adiciona lactose em quantidade. Este leite carregado de lactose, que é o desnatado, tem desenvolvido muita intolerância nas pessoas, pois é consumido geralmente em grande quantidade, e apresenta altos índices deste carboidrato que é a lactose.

O carboidrato presente no leite não faz parte da digestão natural do homem. O próprio bezerro só consegue digerir o leite por aprox. 8 meses. Ele não tem mais lactase, por isso parte pra comer a grama. O bezerro toma o leite da mãe dele enquanto há nutrientes necessários e para. Sábia a natureza. Nós, tomamos o de nossa mãe (amamentação), dai partimos para o leite de vaca. Não consigo achar natural, ainda mais com os argumentos que a Indústria tece. Vamos a alguns deles:

O leite tem uma proteína boa? Sim, mas dentro de cada litro de leite embalado a quantidade de proteína é pequena, diria ínfima – então esta não é o argumento em favor desta bebida.

Quanto a ser fonte de cálcio. É um produto extremamente ácido, que não permite a absorção do cálcio. (vou aprofundar isso na semana).

Por que antes minha avó tomava o leite e tudo bem? Diferentemente de outrora, em que as pessoas mantinham um consumo moderado do leite: era um copo de manhã e outro ao final da tarde ou ao deitar-se, hoje o consumo é exagerado se dá de diversos derivados: bebemos, consumimos iogurte, queijo branco, ricota, cottage, bebidas lácteas etc. É um “over” de leite e pior: que leite? O industrializado, o corrompido.

Sim temos alergias e intolerância. Coisas distintas, esclareçamos. Entenda uma coisa, o que da alergia no leite é a proteína chamada caseína. Você a encontra também no queijo, na manteiga por exemplo. Se a pessoa é alérgica, de certo que não pode tomar nenhum leite e derivado.

Já a intolerância é uma questão enzimática. Trata-se da falta da lactase – a enzima responsável por digerir o carboidrato do leite, que é a lactose. Há inclusive crianças que nascem com a ausência desta enzima. E, esmagadora parte dos adultos esgota sua reserva de lactase ao longo da vida, devido ao excesso do consumo de lactose.

Se você não apresenta problema com a caseína, mas tem intolerância – o queijo gordo, bem curado, maturado, que já fermentou toda a presença do açúcar – ou seja, da lactose, então, com moderação, pode consumir lascas de queijo na sua salada, ou em outra refeição.

Aos que consideram a vida sem graça sem o leite, sem gluten… que tal ressignificar a forma como tem se relacionado com a comida? A verdadeira graça à mesa está sobretudo na companhia com quem compartilhamos os alimentos – inclusive a sua, se você costuma fazer refeições só! É um momento feito para desfrutar do principal: nutrientes. Alimente seu corpo, nutra suas células. Este é o propósito de comer. Quanto ao sabor, temos visto que qualidade e paladar podem e devem caminhar juntos! A era do insosso ficou pra trás há tempos. É mimimi…

Diarreia, constipação, infecções respiratórias, respiratória, catarro, bronquite, cefaleias e dermatites – entre outros, estão ligados a processos inflamatórios em nossos organismo. A intolerância ao leite pode trazer consigo estes digamos “efeitos adversos”.

Aos que tem ao seu alcance uma vaca criada solta, sem ser submetida a hormônios e etc. – este privilégio deve ser aproveitado – se você não tiver restrição. Com moderação. Afinal, como disse, o excesso ao longo da vida “queima” a capacidade do organismo de lidar com a lactase.

Temos o livre arbítrio. As informações estão por toda a parte.

Para as gestantes, mamães, lactantes – vem coisa boa por aí! Até pensei em responder às dúvidas que trouxeram hoje, mas refleti melhor e quero compartilhar com vocês o conhecimento da Dra. Natália Almeida Prado, endócrino pediatra aqui do Instituto. Acredito que vocês vão amar ela! Vamos fazer melhor: um Live juntos! Que tal?! Aguardem! 😉

REFERÊNCIAS

Michaëlsson Karl, Wolk Alicja, Langenskiöld Sophie, Basu Samar, Warensjö Lemming Eva, Melhus Håkan et al. Milk intake and risk of mortality and fractures in women and men: cohort studies BMJ 2014; 349 :g6015

Ornish, Dean M et al. Dietary trial in prostate cancer: Early experience and implications for clinical trial design. Urology , Volume 57 , Issue 4 , 200 – 201

Feskanich D, Willett WC, Colditz GA. Calcium, vitamin D, milk consumption, and hip fractures: a prospective study among postmenopausal women. Am J Clin Nutr February 2003 vol. 77 no. 2 504-511.

Handford, CE, Campbell, K. e Elliott, CT (2016), Impactos da Fraude Láctea na Segurança Alimentar e Nutrição com ênfase especial nos países em desenvolvimento. REVISÕES INTEGRADAS NA CIÊNCIA DOS ALIMENTOS E NA SEGURANÇA ALIMENTAR, 15: 130-142. Doi: 10.1111 / 1541-4337.12181

Pediatrics. 2005 Mar;115(3):736-43. Calcium, dairy products, and bone health in children and young adults: a reevaluation of the evidence. Lanou AJ1, Berkow SE, Barnard ND.

Peck P.Two or more glasses of milk may raise ovarian câncer skills, still doctors aren’t advising that women stop drinking it WebMD Medical News, May 5, 2000

Feskanich D1, Willett WC, Stampfer MJ, Colditz GA. Milk, dietary calcium, and bone fractures in women: a 12-year prospective study. Am J Public Health. 1997 Jun;87(6):992-7.

Woolridge MW, Fisher C 1988 Colic, “overfeeding” and symptoms of lactose malabsorption in the breast-fed baby: a possible artifact of feed management. Lancet 2:382

Ayub M, Ahmed Q, Abbas M, Qasi IM, Hattak IA. 2007. Composition and adulteration analysis of milk samples. Sarhad J Agric 23(4):1127–30

BBC NEWS. 22nd April 2004. China ‘fake milk’ scandal deepens. Available from: http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/asia-pacific/3648583.stm. Accessed November 11, 2016.

 

WhatsApp chat