fbpx
Se a vida lhe der limões
26 de março de 2017
#Desafio: Bebidas
29 de março de 2017

Hora de ressignificar a alimentação

O Desafio trata de alcançar qualidade de vida por meio da ressignificação da forma como nos relacionamos com aquilo que comemos. O objetivo é promover a experimentação de um novo estilo de vida por meio daquilo da alimentação e, com o tempo, transformar isso em uma rotina.

Quando você pensa na palavra “desafio” o que lhe vem à mente? Se você tem uma visão ligada a algo inatingível, maçante, custoso – saiba que isso na verdade é um “fardo”. Classifico como sinônimo de “desafio” a ferramenta, aquele “algo mais” que vai servir de força motriz para você evoluir. O gás que você precisa para repor as energias e manter-se firme em um propósito. Consiste em quebrar barreiras e se transformar! É desta forma que compreendo o nosso “Desafio 30 dias”.

Muitos já o conhecem, mas temos gente nova por aqui e, como somos uma corrente do bem, vamos compartilhar o que propõe esta iniciativa, que trata de alcançar qualidade de vida por meio da ressignificação da forma como nos relacionamos com aquilo que comemos.

Toda mudança – sobretudo alimentar – pode incomodar no início. Afinal, para aqueles que comem doces e massas desde a infância, adequar a rota irá requerer esforço. Por isso a proposição do desafio nada tem a ver com dieta, mas sim, com uma reeducação alimentar. Não se trata de uma restrição, mas de substituições. De em lugar de um refrigerante, dar preferência a uma água de coco natural. Em vez de açúcar refinado, ingerir o de coco, mascavo e outros. As opções são vastas.

Por isso o #Desafio30DiasDrBarakat o objetivo é promover a experimentação de um novo estilo de vida por meio daquilo da alimentação e, com o tempo, transformar isso em uma rotina.

Assim, durante o período de um mês, gradativamente, alguns alimentos deverão ser retirados das refeições. Por meio desta exclusão de determinados produtos será possível avaliar mudanças no organismo – que vão desde bem-estar, melhoras no desempenho do seu sistema autoimune (redução de alergias respiratórias, por exemplo), na produtividade, no funcionamento do intestino e, mais importante, na autoestima. No caso do glúten e do leite, recomendo que seja feita uma exclusão total, inclusive de suas possíveis substituições saudáveis.

REFERÊNCIAS

Leite/Lactose

Michaëlsson Karl, Wolk Alicja, Langenskiöld Sophie, Basu Samar, Warensjö Lemming Eva, Melhus Håkan et al. Milk intake and risk of mortality and fractures in women and men: cohort studies BMJ 2014; 349 :g6015

Ornish, Dean M et al. Dietary trial in prostate cancer: Early experience and implications for clinical trial design. Urology , Volume 57 , Issue 4 , 200 – 201

Feskanich D, Willett WC, Colditz GA. Calcium, vitamin D, milk consumption, and hip fractures: a prospective study among postmenopausal women. Am J Clin Nutr February 2003 vol. 77 no. 2 504-511.

Handford, CE, Campbell, K. e Elliott, CT (2016), Impactos da Fraude Láctea na Segurança Alimentar e Nutrição com ênfase especial nos países em desenvolvimento. REVISÕES INTEGRADAS NA CIÊNCIA DOS ALIMENTOS E NA SEGURANÇA ALIMENTAR, 15: 130-142. Doi: 10.1111 / 1541-4337.12181

Pediatrics. 2005 Mar;115(3):736-43. Calcium, dairy products, and bone health in children and young adults: a reevaluation of the evidence. Lanou AJ1, Berkow SE, Barnard ND.

Peck P.Two or more glasses of milk may raise ovarian câncer skills, still doctors aren’t advising that women stop drinking it WebMD Medical News, May 5, 2000

Feskanich D1, Willett WC, Stampfer MJ, Colditz GA. Milk, dietary calcium, and bone fractures in women: a 12-year prospective study. Am J Public Health. 1997 Jun;87(6):992-7.

Woolridge MW, Fisher C 1988 Colic, “overfeeding” and symptoms of lactose malabsorption in the breast-fed baby: a possible artifact of feed management. Lancet 2:382

Ayub M, Ahmed Q, Abbas M, Qasi IM, Hattak IA. 2007. Composition and adulteration analysis of milk samples. Sarhad J Agric 23(4):1127–30

BBC NEWS. 22nd April 2004. China ‘fake milk’ scandal deepens. Available from: http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/asia-pacific/3648583.stm. Accessed November 11, 2016.

 

Glúten

Neuhausen SL, Steele L, Ryan S, et al. Co-occurrence of celiac disease and other autoimmune diseases in celiacs and their first-degree relatives. Journal of Autoimmunity. 2008;31(2):160–165. [PMC free article][PubMed]

Biesiekierski JR1, Newnham ED, Irving PM, Barrett JS, Haines M, Doecke JD, Shepherd SJ, Muir JG, Gibson PR. Gluten causes gastrointestinal symptoms in subjects without celiac disease: a double-blind randomized placebo-controlled trial. Am J Gastroenterol. 2011 Mar;106(3):508-14; quiz 515. doi: 10.1038/ajg.2010.487. Epub 2011 Jan 11.

Biesiekierski JR1, Newnham ED, Irving PM, Barrett JS, Haines M, Doecke JD, Shepherd SJ, Muir JG, Gibson PR. Gluten causes gastrointestinal symptoms in subjects without celiac disease: a double-blind randomized placebo-controlled trial. Am J Gastroenterol. 2011 Mar;106(3):508-14; quiz 515. doi: 10.1038/ajg.2010.487. Epub 2011 Jan 11.

Green PHR, Cellier C (2007). Celiac disease. New England Journal of Medicine, 357(17): 1731-1743.

Case S (2005). The gluten-free diet: How to provide effective education and resources. Gastroenterology, 128(4, Suppl 1): S128-S134.

N Engl J Med. 2003 Jun 19;348(25):2517-24. Prevalence of Celiac disease among children in Finland. Mäki M1, Mustalahti K, Kokkonen J, Kulmala P, Haapalahti M, Karttunen T, Ilonen J, Laurila K, Dahlbom I, Hansson T, Höpfl P, Knip M.

Gastroenterology. 2014 Sep;147(3):610-617.e1. doi: 10.1053/j.gastro.2014.05.003. Epub 2014 May 13. Benefits of a gluten-free diet for asymptomatic patients with serologic markers of celiac disease. Kurppa K1, Paavola A2, Collin P2, Sievänen H3, Laurila K1, Huhtala H4, Saavalainen P5, Mäki M1, Kaukinen K6.

Vanga, Rohini et al. Gluten Sensitivity: Not Celiac and Not Certain. Gastroenterology , Volume 145 , Issue 2 , 276 – 279

 

WhatsApp chat