fbpx
Climatério e Menopausa
15 de março de 2017
Conhecer um sábio
16 de março de 2017

Anticoncepcionais

Embora haja uma mudança na percepção quanto aos riscos do contraceptivo hormonal ao organismo feminino em detrimento de algum possível benefício, ainda há muito a se caminhar neste assunto.

Quando entramos no tema “saúde da mulher” há um ponto que, embora ainda polêmico, é necessário ser esclarecido. O uso de pílula anticoncepcional. Embora haja visível uma mudança na percepção quanto aos riscos do contraceptivo hormonal ao organismo feminino em detrimento de algum possível benefício, ainda há muito a se caminhar neste assunto.

Entendam 1º) A chamada “pílula anticoncepcional” contem hormônios artificiais (sintéticos): femininos estrogênio e progesterona, que as mulheres produzem naturalmente em seus ovários. Ou seja, a mulher recebe uma dose de hormônios extras que ela já tem. Isso não pode ser bom para o organismo. (Uma reposição hormonal só é bem-vinda quando há indicativo e necessidade comprovada para fins terapêuticos)

Entendam 2º) que contracepção é um termo empregado para métodos que impeçam a gravidez: pílula é apenas um deles. Há opções de métodos isentos destes hormônios sintéticos como camisinha e DIU.

Saúde física e mental, ambas, podem ser impactadas. Um estudo publicado no Jama Psychiatry1[1] (novembro de 2016) verificou que o uso de contracepção hormonal tem como potencial efeito adverso um diagnóstico de depressão.

Há ainda um outro viés. É notório que a pílula, do conceito libertador, transformou-se em sinônimo de escravidão para muitas mulheres. A visão de métodos contraceptivos tem mudado, isso é verdade e, agora, há uma compreensão de que além das mulheres, os parceiros devem compartilhar da responsabilidade. Até porque sabemos que o anticoncepcional está longe de ser o único meio de prevenir uma gravidez, assim como a gestação está bem distante de ser o único motivo que deve levar a cuidados na hora do sexo, afinal há as doenças sexualmente transmissíveis.

Se você ainda consome anticoncepcionais ou conhece alguém que mantém a prática, convido a conversarem com seu médico de confiança e buscarem alternativas, porque elas existem.

Entre os principais efeitos negativos podemos citar: riscos do uso da pílula anticoncepcional podemos citar: a redução da libido – devido à baixa da testosterona, aumento de peso, dificuldade em se obter massa magra, celulite e flacidez, pressão arterial, diabetes gestacional[2], trombose venosa, câncer (como de mama[3]), além do risco de formar coágulos que podem levar a doenças degenerativas, AVC, risco de osteoporose, de trombose venosa cerebral e até a morte. A imprensa brasileira recentemente noticiou dois casos de jovens que tiveram episódios de trombose decorrentes do uso da pílula.

Alguns estudos também apontam que o uso de anticoncepcional combinado com o tabagismo aumenta em até oito vezes o risco de acidente cardiovascular (AVC), pois o sangue de fumantes é mais propenso a formação de coágulos.

REFERÊNCIAS

[1] Skovlund CW, Mørch LS, Kessing LV, Lidegaard Ø. Associação de contracepção hormonal com depressãoJAMA Psiquiatria. 2016; 73 (11): 1154-1162. Doi: 10.1001 / jamapsychiatry.2016.2387

[2] Hormonal Contraceptives Linked With Gestational Diabetes. JAMA. 2014;312(10):992. doi:10.1001/jama.2014.10726

[3] Collaborative Group on Hormonal Factors in Breast Cancer. Breast cancer and hormonal contraceptives: collaborative reanalysis of individual data on 53,297 women with breast cancer and 100,239 women without breast cancer from 54 epidemiological studies. Lancet 1996; 347(9017):1713–1727

WhatsApp chat