Blog

Home > Nutrologia > Destoxitificação: entenda o que é e compreenda seu papel para eliminar toxinas do organismo

Quarta-feira – 04/01

05.01_Quinta-feira_Afinal, como Desintoxicar
Vocês já devem ter ouvido por aí falar sobre a destoxificação, ou “detox”. O primeiro estigma a ser quebrado é que nada tem a ver com o que a Indústria tenta passar pra vocês, com sucos e outros produtos! Além de conterem os famosos conservantes, açucares e outros ingredientes que nada acrescentam ao organismo, que dirá no que cabe a auxiliar a pessoa a alcançar uma renovação total no funcionamento fisiológico do organismo.

Destoxificação NÃO É uma receita de bolo, que podemos encontrar em qualquer site e seguir à risca. Para funcionar da melhor forma, é necessário levar em conta a necessidade, objetivo e condição de cada pessoa, então deve ser um tratamento personalizado e ajustado às características de cada um e com base em protocolos com embasamento científico e prático.

No nosso Núcleo de Nutrição do @InstitutoDrBarakat sempre reforçamos que a detoxificação consiste num processo biológico que promove a redução de impactos negativos de toxinas no metabolismo corporal. O objetivo é eliminar as toxinas através da urina, das fezes, suor e respiração.

Vamos compreender melhor. Explico: esse processo ocorre em todas as células e tecidos do organismo, sendo os principais: fígado, intestino, pulmões, rins, pele e placenta. O fígado exerce diversas funções no nosso organismo e exerce papel fundamental neste processo. Quando existe um excesso de toxinas, ele deixa de exercer suas funções para que possa elimina-las, e muitas vezes isso gera uma sobrecarga neste órgão.

Essas toxinas atacam nossas estruturas celulares prejudicando o funcionamento de todo o sistema. Podem gerar inflamação, aumentar riscos de hiperpermeabilidade intestinal, afetar nosso sistema endócrino (hormonal) e aumentar o riso de desenvolvimento de diversas doenças como a obesidade, as doenças autoimunes e o câncer, por exemplo.

É importante ressaltar que o efeito da genética no desenvolvimento do câncer fica em torno de 25% e os efeitos ambientais correspondem a 75%. Isso quer dizer que o estilo de vida que você leva é o principal fator que influencia o desenvolvimento do Câncer.

TOXINAS: O QUE SÃO, QUAIS SÃO AS FONTES DE EXPOSIÇÃO E QUAIS SÃO OS IMPACTOS NO ORGANISMO

O que são toxinas?

Qualquer substância que possa criar uma irritação e/ou efeitos danosos a um organismo, reduzindo a vitalidade e prejudicando funções bioquímicas e o funcionamento orgânico.

Fontes de exposição às toxinas

Nós temos dois tipos de toxinas: endotoxinas e as exotoxinas.

A endotoxinas são aquelas que o nosso organismo produz. Sim, nosso organismo produz toxinas! Quando a microbiota intestinal está em desequilíbrio, os microorganismos que lá habitam, aumentam a produção de toxinas. Estas geram inflamação e deixam o ambiente intestinal muito ácido e propicio ao desenvolvimento de hipersensibilidades alimentares.

As extotoxinas são aquelas que estão no ambiente em que vivemos, como exemplo:

* Poluentes de ar: em decorrência da circulação de automóveis e industrialização.
* Poluentes do solo: o plantio pode ser feito em solo contaminado, passando essas toxinas para o alimento.
Pesticidas, agrotóxicos: cada vez mais utilizados na agricultura.
* Metais tóxicos: Arsênico (inseticidas, fumaça de automóveis, água contaminada); Chumbo (fertilizantes, enlatados, tintas); Mercúrio (peixes contaminados, lâmpadas, amálgamas dentários, tatuagens de cor vermelha); Cádmio (cigarro, fumaça de escapamento, fumaça industrial); Alumínio (desodorantes aerossol, enlatados, panelas)
* Medicamentos: dados mostram que 27% das intoxicações são causadas por medicamentos e 35% do uso de medicamentos são para automedicação.
* Aditivos alimentares: corantes, adoçantes artificiais, realçadores de sabor, sal, alimentos assados em carvão (churrasco) etc.
* Álcool: A ingestão excessiva de álcool promove sobrecarga hepática e depleta nossos estoques de Vitamina C, vitamina muito importante nos processos de destoxicação.
* Migrantes de embalagens: Embalagens plásticas e de alumínio, por exemplo, possuem substâncias tóxicas que passam para o alimento e prejudicam o sistema hormonal e tem efeito inflamatório. O ideal é utilizar embalagens de vidro, sempre.
* Toxinas alimentares: açúcar, leite de vaca, gorduras trans, glúten e alérgenos alimentares.
* Tabaco (passivo e ativo): O cigarro possui mais de 4730 substâncias químicas.
* Toxinas emocionais, mentais e espirituais: sedentarismo, sono ruim, não descansar o suficiente, estresse físico e emocional.

Fonte: Núcleo de Nutrição – Instituto Dr. Barakat