Blog

Home > Atividade Físicatitle_li=Medicinatitle_li=Nutrologia > Biotipos: vamos entender

Dieta BiotipoPublicado em 07/12/2016

Vamos falar sobre biótipos e tipos de musculação. É preciso entender primeiramente que nós possuímos três denominações diferentes, baseadas em três componentes primários que são relativos a cada genótipo do indivíduo (endomorfia, mesomorfia e ectomorfia). Cada um desses biótipos são herdados geneticamente com características próprias que revelam a tendência de cada um. Mas, assim como a nossa idade, existe uma outra denominação que difere o que aparentamos com o que realmente temos, ou seja, quando falamos em biótipo, é o que herdamos, já o somatotipo se refere à técnica muito utilizada para identificar como o corpo se classifica atualmente.

Quando discorremos sobre ectomorfia, me refiro àqueles indivíduos naturalmente magros, com baixo percentual de gordura que possuem dificuldade para ganhar peso. Sua estrutura óssea é estreita, com ombros curtos, cintura fina e uma caixa torácica estreita, além de sua Taxa Metabólica ser mais alta do que o normal. Os mesoformos são o contrário: tendem a ganhar peso facilmente, possuem estrutura óssea ideal, têm os ombros largos e a cintura estreita e uma caixa torácica larga.

Endoformos, entretanto, possuem muita facilidade para ganhar peso, mas tem o metabolismo mais lento. São naturalmente pesados, com ombros, caixa torácica e cintura larga. O peso que ganham é mais gordura do que músculo e por isso sentem mais dificuldade para perdê-lo. Geralmente cria-se a necessidade do somatotipo para entender como o indivíduo pode fazer exercícios para trabalhar com o seu corpo da melhor forma. Do mesmo modo que a nutrigenética busca a melhor alimentação de acordo com os nossos genes, o somatotipo busca entrar de acordo com o nosso biótipo.

Ectomorfos necessitam de um tempo maior de descanso, com divisão de treinos intensos em intervalos maiores e cargas altas.

Mesomorfos precisam de treinos compostos e períodos curtos com muitas repetições, além de treinos aeróbios cardiovasculares. Por fim, os endomorfos são qualificados a fazer treinos acelerados, circuitos e treinamentos funcionais metabólicos. Não é indicado um tempo de descanso longo, justamente para manter o batimento acelerado dentro da zona de alvo.

Com o acompanhamento de educadores físicos capacitados, orientação médica, dietas e treinos específicos, pode-se chegar à outras subcategorias do Somatotipo, tais como: Meso-ecto, Ecto-mesoforme, Endo-mesoformo dentre outras. Ou seja, mesmo com o biótipo já definido, podemos, com base em treinos diferenciados, entrar em outras categorias que são capazes de nos levar ao somatotipo desejado. Mas lembrem-se, sempre com orientação de algum profissional qualificado!

Os Somatotipos

O somatotipo é uma técnica de classificação corporal desenvolvida inicialmente em 1940 pelo fisiologista estadunidense William Herbert Sheldon, que dividiu a estrutura corporal física dos indivíduos em três condições: Endomorfia, Mesomorfia e Ectomorfia.

Com base nos três somatotipos, podemos traçar melhores treinos e claro, desenvolver meios de criar “subsomatotipos” que é a transição de um somatotipo para o outro.

A partir disso, desenvolveu-se um modelo para avaliação do Somatotipo, que pode ser empregado tanto em homens quanto em mulheres, chamado de somatocarta, que é um formulário específico no qual o avaliador deverá trabalhar para a coleta dos dados, usado posteriormente para definir qual é o melhor tipo de treino a ser indicado.

Subcategorias do somatotipo

As categorias do Somatotipo não são definitivas. Naturalmente, nenhuma pessoa é inteiramente um tipo (endomorfo, ectomorfo, mesomorfo), mas sim uma combinação dos três tipos. O sistema de classificação feito pelo W. Sheldon reconhece um total de 88 subcategorias, e podemos chegar a elas pelo exame de nível dominância de cada categoria básica, em uma escala de 1 a 7.

É possível chegar à classificação desejada com o acompanhamento de educadores físicos capacitados, orientação médica, dietas e treinos específicos, mas acima de tudo, muita dedicação de sua parte!  Sendo assim, fica fácil alcançar os tipos “meso-ecto, ectomesoforme e endomesoformo”, dependendo do seu objetivo. O personal trainer @aquinopersonal diz que “os somatotipos são passivos de mutação, você pode começar a academia se encaixando como endomorfo e ganhar massa muscular, fazer dietas específicas para perder gordura, secar, e quando for fazer sua nova Somatocarta, encaixar-se no mesomorfo, do mesmo jeito que um ectomorfo pode levar uma vida sedentária e passar a ser um endomorfo, mesmo com o biótipo de cada um facilitando ou não a perda ou ganho de peso”.

 

A regra para alcançar as subcategorias depende unicamente do seu esforço. Você terá que respeitar seu biótipo durante os treinamentos, pois eles são específicos para cada somatotipo, mas como disse o Fábio, se você for capaz de se policiar, ficar regrado com seus exercícios e tiver uma boa orientação, os resultados serão com certeza positivos! Lembrando que os indivíduos com tipos corporais diferentes muitas vezes respondem de forma muito diferente ao treinamento, e o que funciona para um não necessariamente funciona para outro. Portanto, se você quer atingir o corpo que deseja, acompanhamento profissional já! E lembrem-se: só depende de vocês mesmos. Força!!!